Conferência Episcopal de Angola e São Tomé

2º Congressso do laicado angolano: Conclusões

22/06/2015

1.    CONCLUSÕES
a)    A vocação laical tem dignidade própria e os leigos não devem ser vistos apenas em comparação com o clero, mas a partir da sua relação com Cristo, com a Igreja e com o mundo.  Pelo Baptismo o leigo participa do múnus de Cristo Sacerdote, profeta e Rei.
b)    Por parte dos agentes da pastoral, há um fraco acompanhamento dos movimentos e associações laicais a nível das Dioceses, Paróquias e Missões.
c)    A família é a instituição sagrada que mais sofre com o fenómeno da pobreza, do analfabestismo e das assimetrias sociais que ainda vivemos no nosso país.
d)    A família está desestruturada por factores tais como a falta de diálogo, alcoolismo, drogas, mentalidade e   prática feiticista, casamentos precoces, casamentos por comércio.
e)    A  insuficiência, nas nossas Dioceses e Paróquias,  de estruturas de apoio às famílias já constituídas e aos jovens que se preparam para o matrimônio.
f)    Os Movimentos e Associações Laicais por vezes agem em espírito de competição , destruindo , desse modo, a comunhão eclesial que são chamados a construir.
g)    O trabalho , que não se confunde com o emprego, é lugar de santificação do Cristão, quando este é algo sublime, digno de veneração, no quadro da valorização moral de alguém pela prática da virtude. Através dele, o Cristão colabora na missão criadora de Deus Pai e, enquanto espaço de interacção, o local de trabalho é um autêntico espaço de evangelização.
h)    Os grandes males que ainda afectam a nossa sociedade (pobreza, corrupção, falta de solidariedade e degradação dos valores morais e cívicos) devem-se, em grande medida, à falta de coerência e ao conformismo dos cristãos gestores públicos e/ou privados, cuja acção está em clara contradição com os valores do Evangelho.
i)    A Missão de Evengelizar da Igreja em Angola está ainda muito limitada, pois nem todos os cristãos podem acompanhar as emissões da Rádio Ecclesia.
j)    O Secretariado Nacional do Laicado, enquanto órgão executivo desta pastoral, ainda encontra vários constrangimentos e  limitações no contacto com as dioceses.

2.    RECOMENDAÇÕES:
Com base nas conclusões, os congressistas recomendaram:
a)    Os Cristãos leigos se convertam verdadeiramente a Cristo, e que todos se esforcem por frequentar e  viver os sacramentos da Santa Igreja.
b)    Os leigos Católicos assumam o seu lugar na Igreja e na sociedade com responsabilidade, coerência e compromisso.
c)    Criação de estrutura e espaços de formação contínua dos leigos nas paróquias e missões de modo a capacitá-los para uma maior assumpção do seu papel na Igreja e na Sociedade. A este respeito, preste-se uma maior atenção ao estudo do Catecismo da Igreja Católica, da Doutrina Social da Igreja e outros documentos do Magistério  (Ecclesia in Africa e Africae Munus).
d)    A criação de centros de aconselhamentos ou outras estruturas de apoio às famílias já constituídas e aos jovens que se preparam para o matrimônio.
e)    A revitalização dos grupos socio-profissionais de leigos em Aquidioceses, Dioceses, Vigararias, Paróquias e Missões (grupos de juristas, médicos, enfermeiros, professores e outros) como espaço de suporte profissional e aumento do capital social.
f)    As famílias melhorem o acompanhamento dos filhos na escola, na catequese e no uso e consumo das novas tecnologias de informação.
g)    Os leigos tomem consciência de que o seu exemplo e desempenho no local de trabalho é a melhor forma de evangelizar (por pontualidade, assiduidade, pagamentos de impostos, pontualidade, evitar e  denunciar a corrupção).
h)    A Comissões de Pastoral do Laicado promovam um maior envolvimento dos leigos nas questões de Justiça e Paz nas suas paróquias e dioceses.
i)    Apelam as autoridades governamentais a trabalharem para uma maior equidade e justiça na gestão da coisa pública de modo a diminuir o fosso entre ricos e pobres.
j)    A CEAST e o Executivo ultrapassem os impasses que até hoje impedem a expansão do sinal da Rádio Ecclesia por todo o país.
k)    Criação de secretariados diocesanos do apostolado para os Leigos, reconhecidos pelo Ordinário do Lugar, bem como a realização de assembleias de leigos a nível nacional, diocesanos, dioceses, vigararias e paróquias.
l)    Nas zonas urbanas e rurais os agentes da pastoral cuidem com particular atenção da formação dos jovens.
m)    Organização quinquenal do Congresso Nacional do Laicado angolano.

Luanda, 21 de Junho de 2015
Os congressistas